HOME
Educar - Uma janela para o mundo
PROJETOS
Viveiro Escola Planta Brasil
SaciArte - Musicalização
Arte & Sobra - Artesenato
Melhor idade
Teatro nas comunidades
NOSSO BLOGS
Cone Leste Paulista
Blog educação
Liberdade de expressão
Reflorestamento e Florestamento
Raizes & Matrizes
MIDIAS
Gazeta Valeparaibana
Rádio CULTURAonline
Ultimas Notícias
Considerações e reflexões
Ouçamos as crianças
VALE A PENA LER DE NOVO
Errar é humano
Economia no Sudeste Brasileiro
Meio ambiente e o futuro
Nossa proposta de paz
Algo precisa mudar...
Visite nossa biblioteca
NOSSA BIBLIOTECA
Telemensagens
Auto ajuda
REDE SOCIAL
Nossa forma de ver a educação
Novos autores
VERSO E PROSA
Precisamos de você
Precisamos de sementes
CAMPANHAS
Traga sua garrafa Pet
Protocolos ambientais
Eventos sociais
AGENDA
Ultima atualização
30.09.2015
Concursos Literários
Eventos comunitários
formifuinhasdovale

Associação Cultural, Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Cone Leste Paulista

Seu comentário
Patrocinadores
Voluntariado
Quem somos
Forum-online
Organograma
Fale conosco
Parceiros
Mapa
Nosso Presidente

Novos autores


Projeto iniciado em: 2007 - Restaurado em 2010 - Todos os direitos reservados
Página do Projeto Social "Formiguinhas do Vale" uma O.S.C.I.P. sem fins lucrativos
Protocolizado sob o nº. 27.616 em 04/12/2009 e registrado em micro-filme sob o nº. 18.112 em 15/12/2009 - 1º Cartório Registro SJC

Produzido por Webmaster JFB © 2010 Todos os direitos reservados. All rights reserved

Três passos para entender a poesia
Amor, amizade e alegria
Sentimentos que nos acompanham
No nosso dia a dia, com emoção na realidade
Sem desfazer a integridade na maior força do amor.


Joaquim Fernando Baptista
Escolhemos este poema, para sintetizar nossa linha de pensamento sobre
Sustentabilidade Social e para frisarmos a responsabilidade de cada cidadão
de refletir sobre bens de consumo e suas verdadeiras necessidades.
EU ETIQUETA
 
Em minha calça está grudado um nome
Que não é meu de batismo ou de cartório
Um nome... estranho.
Meu blusão traz lembrete de bebida
Que jamais pus na boca, nessa vida,
Em minha camiseta, a marca de cigarro
Que não fumo, até hoje não fumei.
Minhas meias falam de produtos
Que nunca experimentei
Mas são comunicados a meus pés.
Meu tênis é proclama colorido
De alguma coisa não provada
Por este provador de longa idade.
Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,
Minha gravata e cinto e escova e pente,
Meu copo, minha xícara,
Minha toalha de banho e sabonete,
Meu isso, meu aquilo.
Desde a cabeça ao bico dos sapatos,
São mensagens,
Letras falantes,
Gritos visuais,
Ordens de uso, abuso, reincidências.
Costume, hábito, permência,
Indispensabilidade,
E fazem de mim homem-anúncio itinerante,
Escravo da matéria anunciada.
Estou, estou na moda.
É duro andar na moda, ainda que a moda
Seja negar minha identidade,
Trocá-la por mil, açambarcando
Todas as marcas registradas,
Todos os logotipos do mercado.
Com que inocência demito-me de ser
Eu que antes era e me sabia
Tão diverso de outros, tão mim mesmo,
Ser pensante sentinte e solitário
Com outros seres diversos e conscientes
De sua humana, invencível condição.
Agora sou anúncio
Ora vulgar ora bizarro.
Em língua nacional ou em qualquer língua
(Qualquer principalmente.)
E nisto me comparo, tiro glória
De minha anulação.
Não sou - vê lá - anúncio contratado.
Eu é que mimosamente pago
Para anunciar, para vender
Em bares festas praias pérgulas piscinas,
E bem à vista exibo esta etiqueta
Global no corpo que desiste
De ser veste e sandália de uma essência
Tão viva, independente,
Que moda ou suborno algum a compromete.
Onde terei jogado fora
Meu gosto e capacidade de escolher,
Minhas idiossincrasias tão pessoais,
Tão minhas que no rosto se espelhava
E cada gesto, cada olhar
Cada vinco da roupa
Sou gravado de forma universal,
Saio da estamparia, não de casa,
Da vitrine me tiram, recolocam,
Objeto pulsante mas objeto
Que se oferece como signo dos outros
Objetos estáticos, tarifados.
Por me ostentar assim, tão orgulhoso
De ser não eu, mas artigo industrial,
Peço que meu nome retifiquem.
Já não me convém o título de homem.
Meu nome novo é Coisa.
Eu sou a Coisa, coisamente.
 
Carlos Drummond de Andrade

Anna Mel

Joaquim Fernando Baptista

Veja também concursos literários
Formulário de inscrição
 (Novos Autores)