HOME
Educar - Uma janela para o mundo
PROJETOS
Viveiro Escola Planta Brasil
SaciArte - Musicalização
Arte & Sobra - Artesenato
Melhor idade
Teatro nas comunidades
NOSSO BLOGS
Cone Leste Paulista
Blog educação
Liberdade de expressão
Reflorestamento e Florestamento
Raizes & Matrizes
MIDIAS
Gazeta Valeparaibana
Rádio CULTURAonline
Ultimas Notícias
Considerações e reflexões
Ouçamos as crianças
VALE A PENA LER DE NOVO
Errar é humano
Economia no Sudeste Brasileiro
Meio ambiente e o futuro
Nossa proposta de paz
Algo precisa mudar...
Visite nossa biblioteca
NOSSA BIBLIOTECA
Telemensagens
Auto ajuda
REDE SOCIAL
Nossa forma de ver a educação
Novos autores
VERSO E PROSA
Precisamos de você
Precisamos de sementes
CAMPANHAS
Traga sua garrafa Pet
Protocolos ambientais
Eventos sociais
AGENDA
Ultima atualização
30.09.2015
Concursos Literários
Eventos comunitários
formifuinhasdovale

Associação Cultural, Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Cone Leste Paulista

Seu comentário
Patrocinadores
Voluntariado
Quem somos
Forum-online
Organograma
Fale conosco
Parceiros
Mapa
Nosso Presidente

Ouçamos as crianças


Projeto iniciado em: 2007 - Restaurado em 2010 - Todos os direitos reservados
Página do Projeto Social "Formiguinhas do Vale" uma O.S.C.I.P. sem fins lucrativos
Protocolizado sob o nº. 27.616 em 04/12/2009 e registrado em micro-filme sob o nº. 18.112 em 15/12/2009 - 1º Cartório Registro SJC

Produzido por Webmaster JFB © 2010 Todos os direitos reservados. All rights reserved

Afinal, quando começaremos a ouvir as crianças
que vão herdar o nosso mundo?


 


Em seu discurso na cerimônia de distribuição do premio Nobel Alternativo, no ano de 2002, Jakob Von Uexkull fez um comovido apelo ao mundo e seus dirigentes para que dessem atenção às crianças e parassem com a destruição do planeta que elas vão herdar...

 
Nos antigos reinos da Índia, o "Conselho dos Videntes do Futuro" era a mais importante autoridade. Hoje, precisamos de um órgão semelhante, em âmbito global, que represente nossos valores e responsabilidades com o cidadão do mundo.
 
Gostaríamos que aqueles que viveram neste planeta antes de nós tivessem queimado tanto carvão e petróleo, deixado quantidades imensas de lixo perigoso e exaurido de recursos naturais e a biodiversidade da mesma forma que fazemos?
 
Se a resposta for não, que direito temos de agir assim? Será que podemos olhar nos olhos de uma criança e justificar o que fizemos e continuamos fazendo todos os dias? O que estamos esperando? Onde está a nossa coragem política? Onde estão os líderes com a firmeza de espírito necessária para pedir que todos façam um pequeno esforço a fim de garantir o futuro de nossos filhos e nossa dignidade? Cada dia que adiamos a realização desse esforço, aumentam os riscos futuros.
 
Não há desculpa para esperarmos. Temos o privilégio de viver no momento mais empolgante da história da humanidade. Pessimismo e inércia constituem uma traição imoral pelo qual as gerações futuras não nos perdoarão...
 
Nesses tempos de dúvida e confusão, desenvolver soluções adequadas confere poder. O premio Nobel Alternativo é um elemento chave dessa nova estrutura de poder global. É um premio mundial para a qual toda e qualquer pessoa pode nomear ou ser nomeada. Cobre todas as áreas onde a reforma é urgente e as soluções - projetos de esperança - existem.
 
Não busca controvérsia, mas, quando, outras instituições e prêmios não conseguem cumprir sua responsabilidade, procura preencher a lacuna - abre os olhos e portas. Contando com pouquíssimos recursos, na maioria das vezes realça os principais desafios que enfrentamos e os caminhos a seguir. Esse prêmio procura ajudar-nos a redescobrir nosso lugar na história da vida, antes que seja tarde demais.
 
Nossos dirigentes ideólogos provocam penúria na África ao forçarem países pobres, como Malavi, a acabar com os subsídios aos alimentos e á agricultura - enquanto a União Européia e os Estados Unidos continuam mantendo os subsídios em seus países. O que podemos responder a nossos filhos quando eles nos perguntarem: "Como, em um mundo de fartura, onde somos estimulados diariamente a consumir mais, podemos permitir que milhões de seus irmãos e irmãs morram todos os anos de fome e desnutrição?".
 
Não é de estranhar que nossos filhos rejeitem toda essa ordem mundial. As declarações feitas em recentes conferências internacionais de jovens são muito instrutivas. A Earth Sum nit Youth Declaration (Declaração da II Conferência de Jovens em Nova York, 1997) constatou que os participantes mostravam um sentimento de desespero devido ao fracasso daqueles que ocupam o poder, em cumprir suas promessas, feitas no Rio de Janeiro (Brasil). Esses compromissos exigiam cortes no consumo dos ricos para ajudar os pobres e reduzir as pressões sobre o meio ambiente. A maior e mais representativa reunião de jovens em preparação para Johanesburgo (Borgheim, Suécia, maio de 2001) usou termos ainda mais contundentes. O documento final exigia, entre outras providências:
"justiça global por meio de acesso equitativo a todos os recursos naturais... o poder para impor ações sustentáveis... reconhecimento da dívida ecológica dos ricos... o fim da globalização econômica neoliberal... e o fim imediato da produção, testes e venda de organismo geneticamente manipulados".

 
".Há sinais de que, cada vez mais, esses jovens falam em nome da maioria. Nos Estados Unidos, a proporção de pessoas que sentem a necessidade de crescimento espiritual em suas vidas aumentou de 20% em 1994 pára 78% em 1999, mas as instituições religiosas não se beneficiaram dessa tendência
"podemos apenas orientar veladamente"
, disse-me recentemente um eminente bispo inglês.

 
Penso que existem modos mais construtivos. Se realmente não passamos de máquinas egoístas, geneticamente programadas, em um universo que não faz sentido, como os "peritos" afirmam, então, a nossa situação é realmente desesperadora. Mas, bem no íntimo, sabemos que somos muito mais do que isso - e que podemos fazer melhor. Precisamos assegurar que nossas instituições, regulamentos e canis de informação priorizem nossos valores mais profundos, em vez de celebrar a ganância consumista. Precisamos ouvir as crianças.
 
Savern Cullis-Suzuki, que tinha doze anos na época, foi muito aplaudido quando assim se dirigiu aos representantes de todo o mundo, reunidos na conferência do Rio de Janeiro:
" Vocês nos ensinam na Escola a não brigar, a resolver as coisas, a respeitar os outros, a arrumar a bagunça que fazemos, a a não fazer mal a outras criaturas, a dividirmos o que temos, a não sermos gananciosos. Então, porque vocês fazem as coisas que dizem que não devemos fazer?"

 
Quando os prêmios deste ano foram anunciados, perguntaram-me sobre sua importância em relação às ameaças de Guerra do Oriente Médio. Pensei, então, nas esperanças e expectativas que esses prêmios criam. Os prêmios deste ano dão um claro sinal de que existem alternativas pacíficas. Antes de tudo, precisamos reduzir nossa dependência - eu diria quase de toxicômanos - em relação ao petróleo barato. A transição para uma ordem global baseada em energias renováveis é a principal prioridade moral dos nossos atos, afim de preservar as gerações futuras, como também para evitar uma era de conflitos violentos em torno de recursos naturais.
( Não foi feito e ai tivemos a Guerra do Iraque, pelo petróleo, os conflitos permanentes no Oriente Médio e, agora, com a ganância Capitalista Americana, a crise de final do ano de 2008, que eles mesmo provocaram, pondo em perigo toda a economia mundial "grife nossa"
 
Está na hora de superarmos nosso medo das mudanças estruturais necessárias à transição para novas fontes de energia e reconhecermos os muitos benefícios ecológicos, culturais e humanos dessas mudanças. Os recursos renováveis oferecem um futuro mais seguro, mais saúde, menos conflitos, empregos novos e interessantes, revitalização da zona rural, economias locais e regionais estáveis.Os combustíveis fósseis que usamos hoje desaparecem para sempre (ou, no mínimo, por milhões de anos). Com as energias renováveis acontece o contrário: a energia solar que não usamos ontem foi desperdiçada e não pode ser usada hoje ou amanhã. Pelo menos por este motivo, todos aqueles que detêm o poder decisório têm obrigação de acabar agora com os privilégios políticos e econômicos das fontes de energia convencionais. É hora de acordar.

 
 
Jakob Von Uexkull