Associação Cultural, Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Cone leste Paulista


Projeto iniciado em: 2007 - Restaurado em 2010 - Todos os direitos reservados
Página do Projeto Social "Formiguinhas do Vale" uma O.S.C.I.P. sem fins lucrativos
Protocolizado sob o nº. 27.616 em 04/12/2009 e registrado em micro-filme sob o nº. 18.112 em 15/12/2009 - 1º Cartório Registro SJC

Produzido por Webmaster JFB © 2010 Todos os direitos reservados. All rights reserved

Reciclagem de pneus usados

Voltar Biblioteca

Apresentamos variadas formas de utilização do pneu em processos envolvidos
na construção civil, citando o baixo custo, aplicabilidade e criatividade


 
Galeria pluvial
 
Uma economia de R$ 54 mil foi possível com a utilização de pneus reciclados de caminhão na construção de uma galeria para escoamento de águas de chuva na avenida Juscelino Kubitschek e residencial Alvorada, em Araçoiaba da Serra. A Prefeitura empregou na obra o novo sistema, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Obras, Agricultura e Meio Ambiente. As cintas metálicas dos pneus substituiriam tubos de concreto normalmente usados para a construção de galerias deste tipo, que estavam orçados em R$ 72 mil. Com o material reciclado, o custo caiu para R$ 18 mil, o que correspondeu a uma economia de R$ 54 mil, segundo a Prefeitura. As galerias têm uma extensão de oitocentos metros e foram concluídas em agosto. Parte dos pneus usados foi doada por uma empresa que trabalha com materiais recicláveis. Segundo o prefeito, "além de contribuir com a preservação do meio ambiente, os tubos de borracha são mais resistentes ao tempo do que os de cimento".
 
O secretário Municipal de Obras, Agricultura e Meio Ambiente, explica que a técnica utilizada foi o uso de cintas metálicas unidas em tubos de um metro, por pressão. A própria terra em volta também comprime as cintas. Conforme testes, o material tem resistência para suportar o peso da terra e da pavimentação, por cima. O material alternativo poderá ser empregado na construção de outras galerias no município, diz o secretário, sendo uma solução econômica e ao mesmo tempo de interesse ambiental, pois garante o aproveitamento de pneus usados, que descartados na natureza, sem reciclagem, tornam-se um problema. Na região, outro exemplo de emprego de pneus usados em obras é em Porto Feliz. A Prefeitura utilizou-os na contenção das margens do córrego Pinheirinho, que atravessa a área urbana. De acordo com o secretário de Araçoiaba, há estudo para o aproveitamento do mesmo material em galerias de maior diâmetro. Para isso, seriam necessários pneus de tratores.
 
Pneus no uso do asfalto

 
Asfalto enriquecido com borracha da reciclagem de pneus usados - o asfalto borracha - é a mais nova experiência visando à conservação das estradas . A reutilização dos pneus, além de reduzir os custos de manutenção das rodovias, contribuirá para a preservação ambiental. O trabalho vem sendo executado pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER) do Rio Grande do Sul. O Secretário dos Transportes, o início dos testes foi no quilômetro 28 da RS/122 (junto ao Posto da Polícia Rodoviária Estadual de Bom Princípio).
 
Na Prefeitura Municipal de Bom Princípio Pela primeira vez no Brasil será utilizado um equipamento especial: um veículo pesando 50 toneladas e medindo 25 metros de comprimento simulará o tráfego (simulador móvel de tráfego) numa rodovia. Os testes usualmente realizados utilizam pistas-testes e não estradas normais. Para permitir a comparação do asfalto-borracha com a massa asfáltica (CBUQ), o simulador será aplicado sobre os dois tipos de pavimentos. Depois da aplicação, os técnicos continuarão acompanhando a reação da pista com o fluxo normal do tráfego na rodovia. A nova tecnologia reduzirá os custos de manutenção e aumentará a vida útil das estradas e vai se constituir numa alternativa para o uso dos pneus usados, a exemplo do que já vem ocorrendo na Europa e nos Estados Unidos. O primeiro simulador de tráfego brasileiro foi desenvolvido e construído pela CMI-Cifali. O produto é um composto de asfalto de petróleo e borracha de pneu. Ao ser misturado com o agregado pétreo (Petróleo), dá origem à mistura asfáltica, comumente denominada de asfalto. No Brasil, sua primeira aplicação ocorreu em agosto de 2001, na Rodovia BR 116, no trecho Guaíba/Camaquã - RS.
 
Construção de Edificações - parede de pneus
 
Nas montanhas altas e frias do Chile alguns residentes acharam um meio de construir uma casa que é barata, confortável e muito chique. O material de construção usado foi: pedra local (prontamente disponível), pneus reciclados (também prontamente disponíveis e grátis), vigas de madeira e uma quantia pequena de cimento.
 
Sendo feita de material reciclado a construção de paredes com pneus reciclados é ideal para pessoas que têm acesso a poucos recursos, mas podem dispor de mais tempo para construir a própria casa. Para pessoas com menos tempo disponível, com mais recursos e contato com um arquiteto aberto e criativo, a casa pode ter um resultado muito interessante.
 
Baixo custo
- sendo feita essencialmente de terra e material que normalmente será jogado fora, a estrutura principal da casa será eficiente e de baixo custo. Entretanto, o método exigirá trabalho intensivo. Uma solução ideal para comunidades com baixo acesso de recursos; uma casa de qualidade com quase nenhum custo.
 
Alta Massa Térmica - quando combinado com outros componentes passivos do projeto, como sistemas de ventilação, o resultado será uma casa com um ambiente agradável e confortável. Com estes materiais e um bom desenho, não será necessário o uso de ar condicionado o que significa menos uso de energia. Estruturalmente Forte e Flexível - as paredes grossas são compostas de pneus enchidos com terra e socadas até que os pneus comecem a se deformar. Camadas subseqüentes moldam esta deformação, formando um cadeado mecânico poderoso. O peso das paredes criará uma estrutura forte e estável. Com este método de construção, paredes circulares ou curvas serão tão fáceis de construir quanto paredes retas.
 
As paredes têm muito contato com a terra devido a sua largura. Se a terra local for basicamente estável, não será necessária a utilização de fundações de concreto. As filas iniciais de pneus podem ser colocadas diretamente na terra. Cada pneu será enchido com terra e esta será compactada dentro de toda cavidade do pneu. Este enchimento continuará até os pneus começarem a se deformar e se expandir.
 
Os pneus das filas de cima serão cheios até se deformarem e se encaixarem uns nos outros, criando uma ligação mecânica forte dentro das camadas subseqüentes. Para criar uma superfície mais lisa e evitar o consumo excessivo de massa no enchimento das lacunas entre os pneus, estes espaços poderão ser preenchidos com latas de alumínio e barro. Uma camada final de gesso pode produzir uma superfície lisa e limpa.
 
fonte:
Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Alagoas
cap10-5