HOME
Educar - Uma janela para o mundo
PROJETOS
Viveiro Escola Planta Brasil
SaciArte - Musicalização
Arte & Sobra - Artesenato
Melhor idade
Teatro nas comunidades
NOSSO BLOGS
Cone Leste Paulista
Blog educação
Liberdade de expressão
Reflorestamento e Florestamento
Raizes & Matrizes
MIDIAS
Gazeta Valeparaibana
Rádio CULTURAonline
Ultimas Notícias
Considerações e reflexões
Ouçamos as crianças
VALE A PENA LER DE NOVO
Errar é humano
Economia no Sudeste Brasileiro
Meio ambiente e o futuro
Nossa proposta de paz
Algo precisa mudar...
Visite nossa biblioteca
NOSSA BIBLIOTECA
Telemensagens
Auto ajuda
REDE SOCIAL
Nossa forma de ver a educação
Novos autores
VERSO E PROSA
Precisamos de você
Precisamos de sementes
CAMPANHAS
Traga sua garrafa Pet
Protocolos ambientais
Eventos sociais
AGENDA
Ultima atualização
30.09.2015
Concursos Literários
Eventos comunitários
formifuinhasdovale

Associação Cultural, Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Cone Leste Paulista

Seu comentário
Patrocinadores
Voluntariado
Quem somos
Forum-online
Organograma
Fale conosco
Parceiros
Mapa
Nosso Presidente

Nosso Presidente


Projeto iniciado em: 2007 - Restaurado em 2010 - Todos os direitos reservados
Página do Projeto Social "Formiguinhas do Vale" uma O.S.C.I.P. sem fins lucrativos
Protocolizado sob o nº. 27.616 em 04/12/2009 e registrado em micro-filme sob o nº. 18.112 em 15/12/2009 - 1º Cartório Registro SJC

Produzido por Webmaster JFB © 2010 Todos os direitos reservados. All rights reserved

Conheça nosso Presidente
 
João Filipe Frade de Sousa
, empreendedor, jornalista e editor de jornal, nasceu em Lisboa, na Freguesia de São Sebastião da Pedreira, aos 04 de Dezembro do ano de 1949.
 
Filho do industrial da construção civil, Sr. José Maria de Sousa e da dona de casa Dª. Maria Olinda de Sousa viveu em Almada, cidade vizinha a Lisboa do outro lado do Rio Tejo.
 
Seu Pai, um idealista que lutou toda a sua vida contra a ditadura do Presidente de Portugal António Salazar, foi perseguido durante toda a sua vida, no entanto, sem nunca ter abandonado sua ideologia e a luta pelas liberdades políticas e sociais do cidadão Português.
 
Na época com pouco mais de 14 anos de idade, viu seu Pai ser arrancado de casa pelos policiais da PIDE Policia Internacional de Defesa do Estado, na calada da noite e levado, algemado, como preso político para a prisão de Caxias, onde sofreu torturas físicas e psíquicas que marcaram seu pai e sua família, de forma cruel e desumana.
 
Desde pequeno, sofreu as agruras da repressão política de um ditador cruel e sanguinário, que levou Portugal a um atraso econômico e social de mais de 50 anos, em relação aos Países que lhe eram visinhos e ao restante da Europa.
 
Talvez por isso e pela falta de liberdade de expressão, fez da caneta e do papel seus confidentes. Publicou seu primeiro artigo, uma sátira política no Jornal de Almada, tendo a partir daí, abraçado as letras como suas confidentes, nunca mais tendo abandonado o gosto pelo escrever. Critico quanto á responsabilidade dos políticos na construção de uma nação, preza pela competência e transparência da administração pública.
 
No ano de 1969, resolveu vir para o Brasil. Um País que já conhecia através de leituras sobre sua história e, que recebia todos os estrangeiros, sem ressalvas de cor, credo ou religião, onde se estabeleceu com o comércio de roupas e armarinhos e cuidou dos negócios que seu Pai havia deixado na cidade de São Paulo, Brasil.
 
No ano de 1973, regressou a Almada, a pedido de sua família, para ajudar seu Pai na construção e na urbanização de uma gleba de terra de propriedade da família, situada no Centro Sul, um Bairro pertencente á cidade de Almada.
 
No ano de 1975, viu eclodir a Revolução dos Cravos. Trabalhando que estava na Serra da Arrábida, distrito de Setúbal, em outra propriedade da família, foi chamado por seu Pai, que eufórico anunciava o fim da ditadura Salazarista e, decretava feriado para todos os seus funcionários.
 
A alegria durou pouco, pois a anarquia se instalou e propriedades foram invadidas. A propriedade particular e os direitos individuais de propriedade usurpados. Com isto, seu Pai se viu obrigado a paralisar suas atividades empresariais e com isso, se viu sem trabalho.
 
Isto lhe trouxe uma nova faceta e, como se instalou uma ditadura do proletariado ou seja socialista. Seu pai e ele mesmo, antes apelidado e taxado como terrorista pelo salazarismo, agora, no proletariado era visto como fascista, por ser empresário.
 
Regressou ao Brasil, onde trabalhou como gerente comercial de diversas empresas e, como empresário e, deu prosseguimento a suas atividades de jornalista, editor e correspondente regional para diversos jornais e agencias internacionais de noticias.
 
Após sua aposentadoria, resolveu dedicar o resto de sua vida a atividades que servissem de alguma forma, para colaborar na busca de uma sociedade mais justa e igualitária e, na preservação de nossos ecossistemas, além do resgate das culturas e tradições Brasileiras.
 
Hoje Presidente da OSCIP Formiguinhas do Vale, que idealizou e criou, desenvolve diversos projetos e ações sociais na cidade de São José dos Campos, Estado de São Paulo, Brasil, tendo também ajudado a fundar a ABJ Associação Brasileira de Jornalistas, com sede em Brasília, DF, Brasil, como vice-presidente, além de outras Associações e Projetos Sociais..
Foi também um dos fundadores da UNIBRAJ – União Brasileira de Jornalistas, da qual é membro até hoje, uma entidade que luta pela Liberdade de expressão e de pensamento.
É filiado e membro da Federação Nacional de Imprensa, sob o nº. 1142/09-J
 
Texto de: Rita de Cássia A. S. Lousada

Formiguinhas do Vale

Presidente